Empório do Cambuci, em Salesópolis, guarda história de mobilização pelo fruto

Produtores - Gato 2

Para atrair o interesse dos clientes do Empório do Cambuci, em Salesópolis, o dono da loja, Benedito Roberto de Souza não precisa exagerar nas qualidades dos produtos expostos ao público. Seu conhecimento do fruto e da história da região tornam a conversa naturalmente interessante e são raras as pessoas que saem da loja sem provar e levar as cachaças, licores ou geleias à base da espécie nativa.

IMG_6870“Também vendo produtos naturais em geral, mas quem compra produtos de Cambuci não trato como freguês e sim como parceiro, pois serão futuros divulgadores do nosso trabalho”, ressalta Gato, apelido pelo qual Benedito é conhecido por todos ali. Recentemente, um casal entrou no empório por curiosidade e logo passou a degustar as bebidas e doces, enquanto Gato contava sobre a origem do fruto que só existe na Mata Atlântica da Serra do Mar, sobre o qual nunca tinham ouvido falar. “Levaram várias garrafas de presente e o rapaz sempre volta quando está de passagem pela cidade”.

Por meio do negócio, ele vem reforçando seu papel na promoção do Cambuci entre os vários elos da cadeia, pois o consumidor final é só um dos envolvidos no conjunto de produtores familiares, beneficiadores dos derivados e compradores de outros estabelecimentos, que fortalecem a importância do fruto no contexto de preservação da Mata Atlântica.

Gato orienta, por exemplo, os beneficiadores a introduzirem o Cambuci nos pães, biscoitos, doces e salgados, e da mesma forma articula a oferta dos produtores rurais, que costumam oferecer o fruto na loja, com quem possui a estrutura para armazenar e processar o produto.

A ideia de montar o negócio no centro de Salesópolis, onde mora, surgiu da participação na Rota do Cambuci, em 2012, quando teve contato com outros produtores e percebeu que o público dos festivais queria ter acesso aos produtos além do momento do evento. “Conversei com todo mundo antes de abrir a loja, em 2013, e constatei que os produtores locais apoiavam a ideia, pois seria uma oportunidade de geração de renda para a região”, coloca.

IMG_6873

Vocação nas espécies locais

O Empório do Cambuci oferece o fruto congelado e uma diversidade de bebidas e doces à base de Cambuci, proveniente atualmente de 13 fornecedores, incluindo os municípios da Rota, e produtores de Salesópolis. Em 2014, ganhou o prêmio “Empreendedor de Sucesso”, do jornal O Diário do Alto Tietê, na categoria Agronegócio, por seu papel na promoção da produção local.

Este município, que abriga as nascentes do Tietê no alto da Serra do Mar, tem 98% de sua área inserida na Lei de Proteção aos Mananciais, com grandes restrições à instalação de atividades consideradas industriais. A fabricação de produtos artesanais é permitida e as oportunidades de se investir em práticas sustentáveis, como as do cultivo de espécies nativas, favorecem o desenvolvimento local.

Gato lembra que do Cambuci tudo se aproveita… no xarope, no chá, nos pratos dos restaurantes. Os melhores frutos servem à indústria e estabelecimentos, mas os outros podem ser curtidos na cachaça, a polpa servir à farinha, e as sementes germinarem novas mudas.

Ele também reserva parte de seu tempo ao quintal de árvores frutíferas que mantém conservado com carinho, entre os pés de lichia, carambola, caju, e o Cambucizeiro que rende até 100 quilos por safra. Elas dividem espaço com o lago de peixes e tartarugas e o viveiro de mudas e temperos. Em sua casa, Gato ainda faz o licor curtido na fruta com peculiar sabor de cravo e canela. “Após vários testes, conseguimos chegar ao sabor ideal, depois de curtir por até seis meses”.

A intenção é atuar somente no comércio e na produção de derivados, mas ele vem armazenando o fruto de agricultores com produções menores. Quando a quantidade é maior, acima de 10 pés por exemplo, ele indica os produtores para outro parceiro local da Rota do Cambuci, que fará o beneficiamento do fruto congelado na região. “Quando falam que têm plantação, vou conhecer para checar a qualidade, e dependendo da quantidade consigo pegar e guardar, se não direciono para o Boy, que tem espaço e a estrutura de freezer para armazenar”.

IMG_6908

Entrar na lista de compras

De fato, o grande desafio para a cadeia de produção do Cambuci está na negociação para sua introdução no mercado. Esta é a opinião do comerciante, que lembra o quanto o preço do produto na prateleira inclui a estrutura e o trabalho por trás do item final, como investimento em freezer, higienização, embalagem e entrega.

“Há um processo por trás da venda de uma garrafa de cachaça de 25 reais, por isso digo: quem tiver um produto de Cambuci e não for bom comerciante não entra no mercado. Não é igual vender arroz ou leite, o fruto ainda não é conhecido por todos, não entrou na lista de compras de quem vai ao mercado. Quem acha compradores de Cambuci precisa abraçar estes clientes”, ensina.

Atualmente, o Empório do Cambuci já é visitado por consumidores que vão até lá em busca dos produtos do fruto e, segundo Gato, a tendência do negócio é de crescimento, incluindo possível venda pela internet.

Importante é manter o padrão de qualidade, pois quem apresenta uma geleia ou licor para venda na loja, precisa estar dentro de critérios de apresentação, qualidade no sabor ou a capacidade de entrega. “Essa semana experimentei o pão de mel de uma vendedora, com sabor muito agradável, estou testando vender em pequena quantidade, é preciso ver se pode entregar regularmente ou se é mais um hobby culinário”.

Nesse sentido, o papel na promoção do fruto acontece também na relação com os fornecedores, a exemplo das orientações que ele oferece para a própria qualidade das bebidas. “Muitas pessoas acham que fazer licor é misturar a calda do Cambuci com a cachaça, o que deixa a bebida com gosto de pinga. Aí mostro que o processo certo é curtir o fruto, o açúcar e a pinga juntos, de preferência com o Cambuci congelado…”, revela Gato

Emporio Cambuci

6 Responses to Empório do Cambuci, em Salesópolis, guarda história de mobilização pelo fruto

  1. Li a reportagem do cambuci, e gostaria de saber se vocês vendem cachaça curtida no cambuci?
    Na verdade, preciso reparar um erro que cometi com meu irmão. Ele tinha uma cachaça curtida por oito anos em um vidro de palmito grande, que eu não sabia o que era, e joguei fora. Ele quer me matar. Aguardo resposta.
    Estou em São Caetano do Sul, São Paulo.

  2. Dionisio Medeiros

    Boa tarde

    Moro proximo de Campinas e por aqui não se encontra cambuci “in natura” para comprar.

    gostaria de saber onde e quando poderia adquirir esse produto, me parece que agora em fevereiro começa a colheita.

    Dionisio

  3. Eu gostaria de adquirir sementes para produzir mudas. onde consigo?

    • Julia Teruya

      Olá, Messias. Tudo bem?
      Referente às sementes para produzir mudas, favor entrar em contato com Teresa Curvelo (11) 97503-6451 (indicação do Instituto AUÁ)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *