associados_arapoti

Cada membro da Banca Orgânica é um Consumidor Semente do Instituto Auá, criando um vínculo com a instituição, com sua causa e com os outros consumidores do coletivo. Apoia a agricultura familiar orgânica e agroecológica, por meio da contribuição fixa, recebendo as cestas e garantindo, ao mesmo tempo, importante estabilidade para o produtor.

O Consumidor Colaborador é o responsável por reunir o grupo e cuidar de sua organização, podendo convidar outras pessoas a se tornar consumidores. É seu papel garante que os demais membros do coletivo tenham acesso a suas cestas semanais, recebendo-as do produtor e armazenando-as no local do grupo. Esse consumidor possui um desconto de 50% em sua contribuição quando o coletivo atinge 7 membros e de 100% quando atinge 15.

Mantém também um processo interativo com a Banca Orgânica, com a possibilidade de construir junto a dinâmica do grupo, além de ser um agente de transformação socioambiental.

Confira a Entrevista com a Associada Carol Lombardi

P – Qual foi sua motivação principal em fazer parte de um coletivo da Banca Orgânica?
R – Minha maior motivação foi mudar hábitos, passando dos alimentos convencionais para os orgânicos em benefício da saúde. Antes de conhecer a Banca Orgânica, isso era difícil pois há poucos alimentos orgânicos disponíveis no supermercado, e os que têm são muito caros.
P – Como se dá o contato com os outros membros do coletivo e os benefícios dessa relação?
R – Tenho contato com eles quando vem retirar os alimentos na minha casa, e é um prazer vê-los sempre tão animados na hora de receber a cesta da semana! Aproveitamos para conversar sobre a qualidade daqueles vegetais e isso dá muita satisfação. Não exige esforço em relação aos outros membros, basta receber os produtos que chegam.
P – Quais ideias por trás da participação na Banca Orgânica são importantes para você?
R – Acredito que incentivar a agricultura familiar e local é a solução para o futuro, pois esta é mais justa, saudável e ecologicamente amigável. Comprar tudo no supermercado e incentivar a produção em grande escala é completamente insustentável. Saber de onde estão vindo os alimentos que ingerimos nos aproxima do nosso corpo e de uma vida saudável.
P – O que sonha ou espera para o coletivo do qual participa?
R – Em um mundo ideal, os coletivos deveriam abranger mais gente, de forma a incentivar cada vez mais esse tipo de comércio justo. Também sonho em poder consumir carne de algum produtor que eu conheça a procedência.
coletivo-vila-madalena-carol-lombardi-1024x1024

Depoimentos

Apoie a agricultura orgânica e receba em casa alimentos frescos e sem veneno!

04-Associado Semente